quarta-feira, 7 de setembro de 2011

 Este trabalho tem como tema o uso de materiais plásticos e suas consequências para o meio-ambiente e, principalmente, para a saúde das pessoas. A maioria da população não tem conhecimento sobre as doenças que o plástico pode causar se contaminar alimentos e animais, e é para esclarecer essas questões que foi feita essa pesquisa.

O que é plástico?
Plástico, de origem grega, significa aquilo que pode ser moldado. Foi desenvolvido no início do século XX e aprimorado a partir do ano de 1920. Plásticos são materiais sintéticos que são produzidos a partir das resinas derivadas do petróleo.
}Para facilitar a identificação dos materiais plásticos foi determinado pela ABNT uma numeração específica. Esta identificação vem dentro de um triângulo, que significa reciclagem.
    Os números dentro dos triângulos significam:
}1: PET: Polietileno tereftalato de etileno
}2: PEAD: polietileno de alta densidade
}3: PVC: policloreto de vinila
}4: PEBD: polietileno de baixa densidade
}5: PP: polipropileno
}6: PS: poliestireno
}7: OUTROS

Consequências do uso do plástico
     Sabemos que no mundo atual o plástico é extremamente utilizado nos mais diversos produtos, porém existem problemas relacionados à sua utilização que não são divulgados.
     Os plásticos são grandes inimigos do Planeta: poluem o meio-ambiente, contaminam os ecossistemas e acumulam-se em lixões por todo o Mundo, causando prejuízos e estragos incalculáveis. Mas o que muita gente não sabe é que além de ser um inimigo do verde, o plástico é também um inimigo da saúde humana.


Bisfenol A, uma substância química encontrada comumente em embalagens de alimentos e bebidas, é usado principalmente em produtos de plástico como copos descartáveis, embalagens de comida, garrafas de água e refrigerante e em mamadeiras de bebê.
      Em 1930 tiveram início estudos que já mostravam que o Bisfenol A já trazia malefícios a saúde das pessoas. A ONG National Workgroup for Safe Markets analisou cerca de 50 tipos de alimentos armazenados em embalagens plásticas e o resultado assusta: o BPA estava presente em 92% das embalagens estudadas, e outras pesquisas feitas confirmam que essa contaminação pode causar vários danos à saúde.


Quando o alimento está contido em recipientes plásticos, o bisfenol é liberado gradativamente no produto. Leite e água armazenados em garrafas plásticas, por exemplo, podem ser facilmente contaminados pelo bisfenol-a, já que costumam ficar em contato direto e muito tempo dentro dos recipientes. À medida que usamos este tipo de embalagem, o revestimento interno do plástico entra em contato com o alimento, impregnando-o com essa substância nociva à saúde

Muitas vezes esses recipientes são aquecidos no microondas ou, no caso das garrafas, ficam empilhados e expostos ao sol, no momento do transporte e da distribuição do produto. Isso significa que aquele líquido já chega às lojas saturado de bisfenol-a pois o aquecimento do plástico causa uma contaminação mais rápida do alimento.


Em estudos com ratas grávidas e seus filhotes recém-nascidos expostos ao bisfenol foi observado aumento de obesidade e mudanças no comportamento como hiperatividade, aumento da agressividade, medo, problemas de aprendizagem e alteração do comportamento sócio-sexual.
          Pesquisas comprovaram que o bisfenol pode ser encontrado nos corpos de mais de 90% da população e existem evidências de que essa contaminação tenha relação com danos à saúde como desordens reprodutivas e hormonais, obesidade, problemas no desenvolvimento cerebral, câncer de mama e próstata.


O bisfenol-a é considerado um xenoestrógeno. Isso significa que a substância "imita" a função do estrógeno, hormônio feminino. Como o corpo, tanto do homem quanto da mulher, tem receptores de estrógenos, o BPA interfere na ação desse hormônio e funciona no lugar dele. Nas mulheres ocorre uma hiperdosagem de estrogênio, deixando a pessoa mais suscetível ao câncer de mama. No homem, aumenta a incidência de câncer de próstata.

Além disso, o bisfenol desmasculiniza jovens do sexo masculino, ou seja, o menino perde ou sofre déficit em suas características masculinas. Podem ocorrer: diminuição do pênis, má formação da uretra e redução da produção do número de espermatozóides.
        Ao longo dos últimos 40 anos tem havido uma diminuição da contagem de espermatozóides dos homens em todo o mundo. Isso é derivado de algo que está em volta da gente, como estresse, fumo, drogas e, é claro, o bisfenol-a. E como não bastassem todos os efeitos nocivos, a substância ainda é capaz de diminuir a defesa imunológica do corpo.


Países como Canadá, Costa Rica, Dinamarca e alguns estados americanos já proibiram o uso do bisfenol. No Brasil, as discussões são recentes e entraram na pauta do Ministério Público Federal, que abriu inquérito para investigação. No mundo, grandes esforços já foram feitos para eliminar esta substância maldita das embalagens plásticas inclusive a União Europeia e China vetaram de vez o uso de bisfenol.
       Nos EUA, embalagens plásticas vêm acompanhadas de selos "BPA Free", que garantem a ausência da substância. No Brasil, o BPA ainda é utilizado, desde que obedeça as exigências da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que limita o uso em 0,6 mg para cada quilo de plástico. Segundo o órgão, essa quantidade não apresenta perigo para a saúde.


Geralmente, o bisfenol-a está presente em maior quantidade no plástico número 7. Selos com números inferiores estariam livres da contaminação pela substância.
      "O plástico indicado pelo número 7 sem dúvida é o que contém mais bisfenol-a. Mas ainda não temos garantia de que os outros produtos, inclusive os que vêm acompanhados do selo "BPA Free", sejam menos agressivos à saúde. Na minha opinião, todo plástico contém bisfenol e altera, sim, o organismo", afirma o especialista Sergio Vaisman


Com teus alimentos utiliza produtos feitos com as seguintes resinas: 4, 5, 1 e 2
  Exemplos de produtos com essas resinas: garrafas de refrigerante, água, detergentes, xampus, sacolas de supermercado, potes para armazenar comidas e embalagens de cosméticos.


. 
Evita! Todo o resto não são saudáveis para teu consumo e de tua família. As resinas: 3, 6 e 7.
  Exemplos de produtos com essas resinas: botas de borracha, bóias infantis, piscinas, a boneca Barbie e outros bonecos, qualquer produto de isopor, copos e talheres descartáveis, mamadeiras, garrafões de água mineral, a película colocada no interior das latas de alimentos e CD’s.
PET x VIDRO
Garrafas PET compõem o tipo de plástico mais usado em todo o mundo por serem mais leves e descartáveis. Porém, esse uso excessivo tem criado mares dessas embalagens nos lixões e aterros, e também nas ruas, causando grandes estragos no ambiente. Além de que essas garrafas plásticas possuem o bisfenol-a na sua composição.
       Garrfas de vidro retornáveis são muito mais seguras, pois não transmitem toxinas aos alimentos e ainda mantêm o frescor do que é armazenado. Além disso, são 100% recicláveis e podem ser retornáveis em até 30 vezes.
       O vidro é preferível à PET também no que se refere à emissão de dióxido de carbono e consumo de energia.
       A embalagem que poderia ser considerada ambientalmente correta é a PET retornável, que uniria as vantagens das outras duas.
       A Coca Cola chegou a usar esse tipo de produto, mas infelizmente ele foi retirado do mercado.


Podemos fazer escolhas mais saudáveis para diminuir o consumo e a exposição ao bisfenol:
Substitua os copos descartáveis por copos e canecas de vidro. É uma atitude boa para o meio ambiente e para sua saúde;
Não aqueça alimentos em recipientes de plástico.
Substitua os potes de plástico e marmitas por alternativas de vidro;
Evite comprar alimentos em embalagens plásticas. Sempre que possível preferir embalagens de vidro. Opte por garrafas de vidro para água, geléias, mel e molhos de tomate;
Evite alimentos embalados, prefira os alimentos naturais e cultivados de maneira orgânica. Seu consumo gera menos lixo e por não terem contaminação química são mais saudáveis.

Mamadeira
Crianças precisam de muita proteção em todos os casos, e não diferente disso, também precisam evitar ao máximo o contato com o bisfenol. A substância agiria com muito mais força devido a fragilidade da fase de desenvolvimento dos bebês.
         Portanto, as mães devem preferir mamadeiras de vidro que não contaminam o alimento que a criança vai ingerir para que as mesmas não sejam expostas precocemente à essa substância nociva. Sobre o bico da mamadeiras não há problemas, pois ele é resistente e inflexível, características de plásticos que não contêm bisfenol.
         Já existem mamadeiras de plástico que não possuem bisfenol-a, mas dificilmente são encontradas.

No Brasil, por enquanto, apenas a Nestlé noticiou que pretende eliminar a substância em até três anos. Apesar de todas estarem de acordo com as normas da Anvisa, as companhias assumiram esse compromisso em razão das manifestações contrárias ao uso do bisfenol, e das recentes pesquisas que mostram que ele pode causar sérios problemas de saúde.

O futuro roubado é um livro de importância crítica, que nos força a fazer novas perguntas sobre os agentes químicos sintéticos que espalhamos pela Terra.

       As empresas, principalmente as brasileiras, que utilizam plástico em grande escala, não tem mostrado grande preocupação com a contaminação que os produtos recebem quando são expostos ao bisfenol-a.
       Entretanto, há uma grande preocupação quanto à poluição causada pelos produtos e assim, cada vez mais, as empresas tem se modificado para garantir o uso de materiais recicláveis, além de abrirem cooperativas para reciclarem seus próprios resíduos.


Química “verde”: plásticos com origem biológica
 Todos os plásticos são feitos de carbono. O plástico artificial contém carbono derivado de petróleo, enquanto os biopolímeros ou bioplásticos contêm carbono derivado de materiais naturais. Produção maiores de bioplásticos podem eliminar muitas das preocupações correntes com relação ao destino de plásticos originários no petróleo. Embora os bioplásticos possam não ter todas as especificações dos produtos, eles estão sendo utilizados para recipientes de alimentos e bebidas. Por exemplo, plásticos feitos à base de milho, podem ser utilizados em uma variedade de produtos desde recipientes a garrafas e talheres. Outro exemplo são lâminas de espuma feitas a partir de batata, milho, arroz ou mandioca, que têm sido empregadas como pratos, tigelas e recipientes descartáveis. Estes produtos são biodegradados nos locais municipais de compostagem.

Exemplos de produtos feitos com bioplásticos, totalmente degradáveis.

A vantagem dos bioplásticos é que eles são produzidos a partir de fontes renováveis (bactérias, plantas) em vez de fontes não-renováveis (petróleo, gás natural). Além disso, os bioplásticos são biodegradáveis, ou seja, podem se decompor no ambiente.
     A indústria de bioplásticos é potencialmente importante. Com a tecnologia atual, os bioplásticos podem ser de fabricação mais cara, mas a biotecnologia está avançando rapidamente, e a produção pode se tornar mais econômica no futuro.
A reciclagem do Plástico
A reciclagem surgiu para reduzir o volume de lixo jogado em aterros e devido a preocupações com o meio ambiente. A humanidade enfrenta sérios problemas com o lixo produzido, que sem a sua redução, reutilização e reciclagem, requer imensas áreas para sua deposição, o que acaba produzindo o chorume, que infiltra-se no solo e polui os lençóis freáticos ou escorrem para os rios e baías.
      O plástico leva 100 anos para se deteriorar e enquanto isso permanece poluindo a terra. Esse lixo também já alcançou o mar aberto  e mata mais de um milhão de pássaros e animais marinhos por ano, seja porque ingeriram plástico e outros lixos ou porque ficaram presos neles.
      É preciso convencer as empresas a encontrarem alternativas seguras para o plástico em relação ao ambiente, e com embalagem reutilizável. Programas de reciclagem deveriam ser ampliados para acomodar mais tipos de plástico, e a população deveria ser educada sobre seu valor.

Muitas famílias dependem da coleta de lixo para se sustentar e precisam do incentivo e da ajuda do governo para tornaram seu trabalho digno e organizado, pois é um trabalho que melhora muito a condição de vida do povo.
        A Coca-cola, a principal empresa de refrigerante no mundo, criou uma cooperativa junto com os catadores de  vários estados do Brasil, e o trabalho já está evoluindo, com um maior número de materiais reciclados e uma grande melhoria na vida dos trabalhadores do aterro.

Precisamos nos atentar para os malefícios trazidos pelas coisas que consumimos, e então procurar por produtos que não prejudiquem a nossa saúde e não sejam de tão difícil acomodação no meio ambiente.