domingo, 8 de julho de 2012

                                     É mesmo, assim tão bom, não ser nada além do que se ve?

'Os muros da cidade falavam alto de mais coisas que ela não podia mudar nem suportar..'

'Acordar de madrugada vindo de outro planeta, sentir-se só.. uma criança num berço de ouro e a ferrugem ao seu redor.

Quis voltar pra casa, cansou da violencia que ninguem mais via
Viu milhoes de fotografias e achou todas iguais

Ela me olhou como se soubesse desde o início que eu também não era dali

Tinha a força de quem sabe que a hora certa vai chegar..'

terça-feira, 8 de maio de 2012

Deixar as coisas ser como são..

Uma das coisas mais incríveis que tenho aprendido na vida é que devemos deixar as coisas ser como elas são.

Eu sei, é complicado. Nem tudo sai de acordo com a nossa vontade. Nem tudo é como a gente quer. Eu sei. A gente sabe muito. Quer mudar a vida das pessoas. Principalmente das que a gente ama. E essas, coitadas, são as que mais sofrem. Porque se preocupam tanto com a gente que esquecem delas. Esquecem, por exemplo, que brigamos tanto com elas porque queremos fazer elas acordarem pra vida delas. Pois elas merecem. Merecem viver bem. Ter uma vida saudável. Merecem lutar pelos próprios sonhos. E nós estamos cuidando da nossa. Não precisamos de segurança, nós nos damos a mesma. E, as vezes, como todo mundo, cometemos erros. E eles são normais. Mas errar sempre, por não olhar pra dentro de si mesmo, para nós, que estamos atentos ao nosso dia-a-dia é um pecado capital para com a vida.

Mas o fato é que, a vontade e o rumo do destino depende de nós apenas em nossa matéria. E nós somos uma matéria no mundo que direciona outros vários. No entanto, somos responsáveis por nós mesmos. Ao descermos na terra é como se consentissemos: Vou descer, dar o meu melhor, por mim e pelos outros. Mesmo que, para os outros, eu não possa mudar o rumo.. Eu não possa sacudi-los e poxa, dizer 'por favor, acorda.. tua vida ta passando, tua chance ta passando, cuida dela!'. Simplesmente pelo fato de que se fizessemos isso, não seria tao util quanto a eficacia de cuidar do nosso dia e da nossa vida, para que nos olhem e digam 'alguns milagres realmente acontecem'. E não que a opinião desses seja importante, mas esta na nossa consciencia a importancia de ter tranquilidade para dormir a noite por apenas saber que, la no fundo, por mais sozinho que a gente esteja, tem uma força maior envolvendo o nosso destino e fazendo de tudo para que o caminho flua da melhor maneira possível.

Devemos ser a mudança que queremos ver..

Ja diziam os antigos.



Deixar as coisas ser como são por que, estamos concentrados em ser o que queremos ser. E o tempo é curto demais para estar crescendo também pelos outros..

quinta-feira, 19 de abril de 2012

'Assim como protegemos nossa felicidade, temos também que proteger nossa infelicidade. Não há nada mais desgastante do que uma alegria forçada. Se você está infeliz, recolha-se, não suba ao palco. Disfarçar a dor é dor ainda maior.

Quem me vê caminhando na rua, de salto alto e delineador, jura que sou tão feminina quanto as outras: ninguém desconfia do meu anti socialismo interno. Adoro massas cinzentas, detesto cor-de-rosa. Penso como um homem, mas sinto como mulher. Não me considero vítima de nada. Sou autoritária, teimosa e impulsiva. Peça para eu arrumar uma cama e estrague meu dia. Vida doméstica é para os gatos.'

- Martha Medeiros


domingo, 18 de março de 2012


Não me dêem fórmulas certas porque eu não espero acertar sempre. Não mostrem o que esperam de mim: vou seguir meu coração. Não me façam ser quem não sou. Não me convidem a ser igual: sinceramente, sou diferente! Não sei amar pela metade, viver de mentira, voar com os pés no chão. Sou sempre eu mesma. Mas, com certeza, não serei a mesma para sempre. 
Cl. Lispector

"Tenho uma particularidade instigante: preciso da solidão. Gosto de pessoas, preciso delas, não sei viver sozinha. Mas sou mimada, preciso quando eu quero. Sou egoísta, gosto de ver televisão sozinha, sem ninguém falando junto. Sou chata, não gosto de dividir banheiro com ninguém. Sou espaçosa, bagunço as minhas coisas. Preciso da solidão pra ler, pra olhar para o teto, pra tirar ponta dupla do cabelo, pra fazer as unhas, pra pensar em tudo, pra fazer nada. Preciso da solidão pra ser eu mesma. Pra fazer alongamento, rir de mim, chorar comigo. Não entendo como tem gente que não abre a janela em dias nublados. Eu adoro janelas abertas, esteja um dia lindo de sol ou um carregamento de nuvens cinzas. Tenho que sentir o ar que vem lá de fora, seja ele qual for. Com seu gosto, cheiro, textura. Falo algumas coisas esquisitas como essa, por exemplo, ar com textura. Conheço cores que ninguém conhece, vejo alguns filmes que grande parte da população acha tosco. Não gosto de deixar as coisas pela metade, mas já deixei..."  Clarissa Côrrea